Petrobras reajusta pela sexta vez preço do gás de cozinha

Em Piracicaba, o preço médio ao consumidor do botijão de 13 quilos segundo a ANP (Agência Nacional de Petróleo) é de R$ 65,94

Por Marília Ariente 06/12/2017 - 09:40 hs
Foto: Google Imagens

A Petrobras anunciou o sexto reajuste consecutivo no preço do GLP (Gás Liquefeito de Petróleo). Para as distribuidoras de todo o país, o aumento será de 8,9%. Para o consumidor final, o Sindigás (Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo) estima um impacto entre 7,3% e 9,9%. 

“Como a lei brasileira garante liberdade de preços no mercado de combustíveis e derivados, as revisões feitas nas refinarias podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Isso dependerá de repasses feitos especialmente por distribuidoras e revendedores”, informou a nota da entidade.

Em Piracicaba, o preço médio ao consumidor do botijão de 13 quilos segundo a ANP (Agência Nacional de Petróleo) é de R$ 65,94. O menor valor encontrado na cidade entre o final de novembro e o último sábado foi de R$ 60. Já o botijão mais caro era vendido por R$ 70. Esses valores, no entanto, não incluem as taxas de entrega, cobradas pela maior parte dos varejistas do setor. 

Se o aumento aplicado estiver no menor percentual previsto pelo sindicato das empresas do consumidor, o preço médio deve passar dos R$ 70 a partir de hoje. Já se o repasse ocorrer no maior patamar estimado, o preço médio na cidade subiria para R$ 72,4. O aumento anunciado ontem não se aplica aos botijões maiores, destinados ao uso industrial e comercial.

O último reajuste havia sido anunciado em novembro, quando o preço nas distribuidoras subiu 4,5%. Desde junho, a Petrobras adota uma nota política de preços para o produto com ajustes mensais que acompanham os preços do mercado externo, a taxa de câmbio e a margem de lucro da empresa estatal. 

Ao anunciar a metodologia, o presidente da companhia, Pedro Parente, disse que ela não significaria exclusivamente altas de preço. “A exemplo do que está acontecendo com a gasolina e com o diesel, nós vamos estar seguindo rigorosamente a referência utilizada, significando dizer que como pode subir também pode cair [o preço]”, disse na época. A última redução para as distribuidoras, no entanto, foi realizada em julho, quando os botijões ficaram 4,5% mais baratos. 

No ano, o preço médio do gás de cozinha em todo o Brasil acumula alta de 17,7%, segundo dados da ANP. O valor médio do botijão para o consumidor saltou de R$ 55,74 na primeira semana de janeiro para R$ 65,64 na semana encerrada em 2 de dezembro.

 

 

Fonte: Jornal de Piracicaba